Você está aqui: Home / Cidade, Notícias / Justiça do Trabalho pede indisponibilidade de bens da empresa Araujo Segurança

Justiça do Trabalho pede indisponibilidade de bens da empresa Araujo Segurança

.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) está pedindo na Justiça do Trabalho de Botucatu (SP) a indisponibilidade de bens da Araujo Segurança e Vigilância Eireli M.E, da cidade de São Manuel, e de seu sócio proprietário Agnaldo Aparecido de Araújo (que exerce cargo de vereador em Areiópolis), para o pagamento de salários e outras verbas atrasadas dos funcionários da empresa. As informações são da assessoria de imprensa do MPT.

Segundo apurado pelo procurador Luis Henrique Rafael, os vigilantes estão sem receber os salários referentes ao mês de abril. Além disso, ficou constatado que a empresa deixa de pagar o vale refeição e de fornecer uniformes adequadamente.

Se deferida a liminar, ficam bloqueados os bens móveis, imóveis, ativos depositados em instituições financeiras, créditos a serem recebidos por clientes, participações em sociedade, títulos e ações, de ambos os réus.

Os funcionários com salários atrasados prestam serviços em postos de vigilância no Ministério Público Federal (MPF) em Bauru (SP) e Assis (SP), na Receita Federal, no Tribunal de Contas do Estado e na FAMESP – que administra o Hospital Estadual de Bauru -, dentre outros.

No total, o MPT constatou as seguintes irregularidades: trabalhadores prestando serviço sem uniforme completo; atraso no salário, cestas básicas e vale refeição; não recolhimento de FGTS e INSS dos funcionários; não fornecimento de vale transporte; e não pagamento de verbas rescisórias em caso de demissão.

O MPT também pede que a empresa regularize imediatamente os problemas relacionados ao pagamento de salários, cesta básica, ticket refeição e transporte, assim como o recolhimento de FGTS e INSS de todos os funcionários, e forneça uniformes adequados para o exercício da atividade de vigilante.

Em caráter definitivo, o MPT pede a confirmação da liminar e o pagamento de R$ 100 mil por danos morais coletivos. Segundo informações da Vara do Trabalho de Botucatu, o processo será apreciado pelo juiz na próxima segunda-feira (27).

 

(jcnet)

Comments

Tags: , , , , , , , ,

Envie um comentário

Responsável Rodrigo Tomaz. Powered by WordPress.